A crise muitas vezes é o impulso para a inovação e um motivo que faz despertar a criatividade das pessoas. Elas começam a pensar em maneiras diferentes de executar antigas tarefas ou buscam novas soluções para problemas recorrentes.

Empreender nada mais é do que usar essa criatividade para aproveitar novas oportunidades de negócio. É entender que existe um nicho no mercado que precisa de uma alternativa que ainda não foi criada e construí-la.

Existem inúmeros motivos que levam ao empreendedorismo, mas para todos é relevante usar a criatividade e a perseverança. Nem sempre uma ideia dará certo de primeira — temos inúmeros exemplos de pessoas que, antes de atingirem o sucesso, colecionaram fracassos.

Quer saber por que tirar aquela antiga ideia de empreendimento do papel e como fazer isso, além de conhecer ideias de negócios criativos para começar? Continue a leitura!

Por que empreender?

As razões que levam ao empreendedorismo são as mais variadas possíveis. Tem gente que abre um negócio porque descobre uma necessidade não atendida de um público específico. Outros empreendem para apostar em uma inovação ou solução criativa para uma dificuldade antiga.

Tem aqueles que se veem no meio de uma crise e precisam apostar em novos negócios para conseguir se manter economicamente. Independentemente dos motivos que levam as pessoas a empreender, o fato é que todas precisam ter em mente que vão precisar de muito trabalho, paciência, resiliência e criatividade ao longo do caminho.

Um estudo publicado em 2018 afirma que 38% da população brasileira é formada por empreendedores, ou seja, a cada 5 adultos, 2 têm o próprio negócio. Como o país vem enfrentando uma crise financeira desde meados de 2016, é natural que as pessoas procurem novas formas de ganhar dinheiro.

Mas não é só isso: empresas especializadas em produtos veganos e sustentáveis, startups voltadas para áreas de tecnológica e inovação e, ainda, peças e objetos artesanais têm ganhado força e espaço no mercado, com um público fiel e crescente.

Essas mudanças comportamentais com base na troca de informações rápidas também podem esconder muitas oportunidades de negócios.

Como empreender?

Para empreender, não basta ter uma boa ideia. É importante estruturá-la e transformá-la de fato em oportunidades de ganhos reais. Por isso, é imprescindível fazer um plano de negócios e estudar a fundo quais são os pontos fortes e fracos da sua marca e as limitações na criação da sua empresa.

Ao decidir criar uma marca e investir em um empreendimento, o empreendedor deve ter ciência de que precisará de paciência para começar a ver os resultados, porque eles não aparecem do dia para noite. São frutos de muito trabalho e da escolha da estratégia certa.

Vai precisar também de muita resiliência e determinação, porque, em alguns momentos, vai ser difícil manter o negócio. No entanto, se a ideia for boa, estruturada e criativa, as chances de sucesso são grandes. Só não espere o triunfo instantâneo, porque ele é mais uma consequência de boas escolhas do que realmente um objetivo.

Quais são 3 negócios criativos para começar a empreender?

É sempre importante lembrar que uma pessoa empreendedora deve ficar atenta aos acontecimentos à sua volta, para visualizar oportunidades que nem todos veem. Agora que você já identificou o porquê de empreender e como fazer isso, temos algumas dicas de negócios criativos que você pode começar!

1. Moda sustentável

As mudanças de comportamento afetaram todos os setores de consumo. Contudo, um dos mais atingidos é o da moda. Ela vem deixando de ser exploradora de recursos para ser transformada em símbolo de consumo consciente.

Lojas que misturam o conceito de brechós com moda retrô e vintage, aplicativos de desapego e consumo circular têm ganhado espaço e tudo indica que vieram para ficar.

Outro aspecto interessante da moda atual é a sua personalização: os clientes não querem mais o que todos têm. Eles querem se sentir únicos e diferentes.

2. Produtos veganos

Produtos veganos, vegetarianos e orgânicos: os consumidores estão começando a se conscientizar de que é necessário repensar como nos alimentamos para manter a sustentabilidade em um planeta cada vez mais esgotado de recursos. Comidas veganas e orgânicas fazem parte dessas mudanças comportamentais.

3. Consumo colaborativo

O consumo colaborativo, ou economia compartilhada, é uma tendência e tem diversos nichos abertos no mercado. Alguns exemplos são aluguel de malas para viagem, de carros, de casas para temporada, entre outras várias alternativas interessantes disponíveis que mudam a nossa forma de consumir, sem que a gente precise, necessariamente, parar de comprar.

Algumas histórias inspiradoras

Aqui, trouxemos algumas histórias inspiradoras de pessoas que decidiram usar a criatividade e fazer a diferença com seus empreendimentos e, de quebra, ganhar dinheiro povoam a internet — como Steve Jobs, que teve sua trajetória contada em inúmeros livros e filmes, por ter revolucionado completamente a relação entre indivíduos e celulares.

No entanto, nossos exemplos são mais próximos e mais palpáveis: empreendedores que mudaram a cultura de empresas já existentes ou fundaram as suas e, hoje, faturam milhões. Conheça!

Luiza Helena Trajano

A presidente da marca Magazine Luiza expandiu uma rede de lojas e a tornou um dos e-commerces mais consolidados do mercado. Ela é um exemplo de gestão e inovação. Inclusive, a marca tem a primeira loja virtual do mundo.

Antônio Luiz Seabra

A Natura é uma das empresas de cosméticos brasileiros mais bem-sucedidas do mercado — isso graças à visão estratégica de Antônio, que demorou aproximadamente 6 anos para ver resultados efetivos acontecerem. Além disso, a marca valoriza a sustentabilidade e está ligada nas novas tendências comportamentais.

Larissa Souza dos Santos

Larissa também é a prova de que enxergar uma necessidade e um nicho e resolver fazer algo a respeito pode gerar lucros. Ela investiu na criação da Snack Saudável, uma empresa com atuação por todo Brasil, que oferece lanches saudáveis para as crianças levarem para a escola. Em 2017, seu faturamento passou de R$1 milhão.

Viu como é possível gerar negócios criativos nos mais diversos ramos e setores da economia? No entanto, é preciso estar atento às oportunidades e estabelecer uma estratégia para alcançar os objetivos. Na maioria das vezes, os lucros serão consequências de boas ideias executadas por profissionais engajados.

Gostou de saber mais sobre negócios criativos e empreendedorismo? Quer ficar por dentro das novidades e receber em primeira mão nossos conteúdos exclusivos? Assine a nossa newsletter!

Escreva um comentário